Soulbay

Origem: Malucopédia, a enciclopédia insana
Ir para: navegação, pesquisa

Soulbay é um site parecido com o e-Bay, só que, em vez de comercializar qualquer merda que não serve para nada, este site comercializa almas humanas

Breve histórico[editar]

Tradicionalmente, era o próprio Coisa Ruim que se aproximava das pessoas, e fazia uma oferta para comprar sua alma.

Obviamente, o Capeta não era bobo, e só se aproximava de gente que tinha uma alma importante, que poderia se desviar para o Bem e fazer alguma coisa muito boa, mas que poderia cair em tentação e aceitar a troca: receber algum grande favor mundano, em troca de uma pós-vida servindo ao Canhoto.

Como o crescimento exponencial da população mundial, o Tinhoso inventou a terceirização, e passou a contar com corretores para negociar a compra e venda de almas.

A crise[editar]

Isso gerou uma crise no Inferno, pois houve muitos casos de pessoas que venderam a alma e não receberam o que foi negociado, e depois processaram o Cramulhão, em alguns casos até conseguindo a alma de volta.

Porra, como alguém consegue processar Lúcifer e ainda ganhar?

Muito simples, o que mais tem no Inferno são adevogados competentes, então as almas perdidas quase sempre conseguem bons advogados; já Belzebu, que sente arrepios só de ouvir a palavra "advogado" (por causa de uma certa passagem bíblica), resolve se defender sozinho, e quase sempre toma ferro, porque os advogados são mais safados que ele mesmo.

Mas, voltando ao assunto, outro problema que também ocorria era que os corretores de almas muitas vezes compravam almas que já estavam perdidas, e iriam para o Inferno de qualquer modo, exaurindo desnecessariamente os fundos do Rabudo (sem nenhum trocadilho, por favor).

A modernidade[editar]

Com o advento da Internet (que foi uma das invenções do Maligno[1]), o negócio de compra de almas ganhou um novo alento, e foi inaugurado o site Soulbay.

Funcionamento[editar]

O site funciona assim: ao entrar, você é apresentado às maravilhas do Inferno, com um menu de diabinhas gostosas que funcionam como recepcionistas (a verdade é que quem chega lá é recebido por umas decepcionistas, mas isso não vem ao caso).

Então, após uma tela com 5000 palavras chatas em linguagem jurídica, o visitante é convidado a responder a um questionário, e se compromete a, caso responda falsamente a alguma pergunta, a vender sua alma de graça para deixar de ser babaca. Quase ninguém lê esta parte, e parte direto para o questionário.

O questionário é a parte mais importante, pois avalia quanto vale a alma que está sendo oferecida. 93,7% das pessoas que respondem sinceramente ao questionário descobrem, no final, que a sua alma vale zero, pois eles já estão indo direto para o Inferno.

As demais pessoas recebem uma oferta pela sua alma, e, neste ponto, há três opções: elas podem aceitar, negar ou tentar barganhar.

Se elas aceitam, imediatamente (ou algum tempo depois) serão visitadas por algum corretor de almas, com um contrato por escrito, trazendo as perguntas do questionário. O contrato deve ser assinado com sangue (e ainda não inventaram alguma forma satânica de fazer uma assinatura eletrônica com sangue), seguido de algum sacrifício para mostrar o comprometimento do vendedor com o Príncipe das Trevas.

Se elas recusam, ou tentam barganhar, então o cara tá fudido, porque as hostes do Inferno irão fazer algumas visitinhas desagradáveis ao visitante, para fuder com a sua vidinha de merda ao ponto dele desistir, e finalmente vender a alma.

Babaquices[editar]

  1. Tô ficando sem sinônimos!