Clint Eastwood

Origem: Malucopédia, a enciclopédia insana
Wikipedia.gif
A nossa cópia pirata, a Wikimerda Wikipédia, tem um artigo (sem credibilidade) sobre: Clint Eastwood.
Clint Eastwood zangado
Clint Eastwood sorrindo
Clint Eastwood após uma noite de amor com uma bela mulher
Clint Eastwood apavorado
Clint Eastwood chorando

Clint Eastwood é um ser de um universo adjacente ao nosso, ou melhor, de um macrouniverso no qual o nosso universo reside como uma insignificante bola de gude. Um dia, este ser estava observando os microuniversos que costumava colecionar, e notou que um deles era diferente dos outros, pois nele havia um planeta com vida. Intrigado com tal fenômeno, Eastwood decidiu usar toda a sua sabedoria e tecnologia para adentrar este universo e observar de perto o desenvolvimento da vida neste planeta, porém equipado com sua mais primorosa invenção: a Magnum 44, uma arma capaz de aniquilar qualquer ameaça à integridade do visitante de outro universo.

Biografia

A era jurássica

Após milhões de anos estudando o desenvolvimento da vida naquele planeta Eastwood notou a ascensão de uma espécie animal terrível que ameaçava extinguir toda forma de vida naquele mundo: os dinossauros.

Eles eram carnívoros vorazes e cruéis, e a sua presença comprometia o surgimento de uma forma de vida inteligente naquele lugar. Sem pestanejar, Eastwood extinguiu aqueles lagartos gigantes com sua Magnum 44.

A aurora da humanidade

Um milhão de anos mais tarde surgiram os primeiros seres humanos. Eles eram bárbaros e selvagens. Ou seja: nada diferentes do que são hoje. Eastwood notou que aqueles seres bípedes comiam carne crua e caçavam com armas muito primitivas.

Ciente de que eram ainda muito atrasados para compreenderem a tecnologia da Magnum 44, ele revelou aos homens a existência do fogo e deu-lhes a flecha e a lança.

Claro, antes de aprenderem a caçar com tais inventos maravilhosos, os homens cometeram chacinas entre si, mas foram disciplinados rapidamente pelo olhar ameaçador de Eastwood.

A era dos impérios

Com seu vasto e superior conhecimento, Clint ensinou aos egípcios, de uma forma que aquelas criaturas pudessem entender, os princípios da matemática e da física, com os quais mais tarde foram construídas as pirâmides.

Séculos mais tarde ele repassaria este conhecimento aos maias. Entre outras realizações, ele também ajudou o povo da ilha Rapa Nui a construir os lendários moais e criou os esboços com os quais os incas criaram as linhas de Nazca.

Clint também deu aos chineses a fórmula da pólvora, mas naturalmente não lhes ensinou a tecnologia da Magnum 44.

Uma outra grande contribuição de Clint Eastwood para com os impérios foi a invenção da roda, que acelerou bastante o progresso da humanidade, levando o barbarismo das grandes nações aos quatro cantos do mundo conhecido e resultando em escravidão e genocídio.

No oeste selvagem

Durante séculos Clint ficou apenas observando a involução evolução da humanidade, sem se intrometer, até que ele chegou aos Estados Unidos da América, a nação mais poderosa de todo aquele planeta.

O país era um reduto de selvagens bárbaros (como ainda é hoje) e era dominado pelo crime e por bandidos. Não havia esperança para os órfãos e as viúvas, então Eastwood decidiu intervir, dando a um renomado inventor chamado Samuel Colt o projeto de uma versão mais primitiva de sua Magnum 44.

Com sua grande sabedoria e liderança, Eastwood reuniu as autoridades locais e deu origem à polícia, iniciando uma grande guerra civil contra o crime organizado e trazendo paz e justiça à grande nação.

Eastwood estabeleceu morada no oeste americano, mais precisamente no estado do Texas, onde foi nomeado xerife e combateu odiosos bandidos como Buffalo Bill, Bat Masterson, Billy the Kid, e outros foras-da-lei de quem você nunca ouviu falar.

Foi no oeste também que Eastwood descobriu o amor das fêmeas humanas. Ele casou-se com a índia Tigre Lili, iniciando assim o processo de miscigenação racial em um país antes racista e segregacionista (ainda hoje o país é assim, mas mudou 50% graças à atitude conciliatória de Clint). Seus filhos tornaram-se grandes defensores dos direitos humanos e incitaram o fim da escravidão em toda a América do Norte. Todos foram assassinados.

Clint no século 20

Clint Eastwood mudou o rumo de suas pesquisas sobre a espécie humana tomando partido em uma de suas guerras irracionais: a Segunda Guerra Mundial.

Eastwood recusou metralhadoras e aniquilou centenas de japoneses apenas com sua Magnum, levando os EUA a uma vitória esmagadora em Iwo Jima.

Ele também lutou na Guerra da Coréia, onde massacrou muitos amarelos e na Guerra do Vietnã. Esta última foi vergonhosamente perdida pelos americanos.

Eastwood então desistiu dessas guerras infantis e foi viver a vida comum de um humano. Ele apaixonou-se por uma menina de 15 anos que mentiu sua idade, e foi condenado à prisão perpétua por pedofilia, sendo mandado para Alcatraz, uma prisão teoricamente à prova de fuga.

Mas nenhuma prisão humana poderia segurar Eastwood, que com seu intelecto superior escapou facilmente de lá e convenceu a garota a contar a verdade, inocentando-o.

Mais tarde ele arranjou um trabalho como guarda-costas do presidente americano John Kennedy, porém não conseguiu impedir que este fosse assassinado. Eastwood então mudou de identidade e tornou-se o policial Dirty Harry. A carreira durou pouco, e ele já estava ficando velho demais para tanta ação, mesmo tendo apenas 50 milhões de anos.

Clint na atualidade

O alienígena tornou-se fotógrafo e teve um romance proibido e passageiro com a bela e nariguda Meryl Streep.

Com sua incrível inteligência foi chamado para integrar o seleto grupo de cientistas da NASA e consertar um satélite defeituoso em pleno espaço sideral. Ele também foi instrutor de boxe e treinou uma jovem promissora que ficou em coma após ser nocauteada por Evander Holyfield.

Num ato de misericórdia Clint terminou o sofrimento daquela humana prendendo seu tubo de respiração e fazendo-a passar dessa para melhor. A última experiência dele no planeta foi tornar-se ator e diretor de Hollywood, realizando muitos filmes autobiográficos.

Hoje Clint mora numa casinha em um subúrbio, ao lado de vizinhos coreanos, com sua Magnum 44 e seu automóvel Gran Torino, dos tempos em que ele era policial.

Ver também